terça-feira, 10 de setembro de 2013

O Verdadeiro Local - Templo de Salomão

Em toda a história, houve 3 templos distintos destruídos:

O templo de Salomão, feito para substituir o templo de Moisés, que foi destruído por Nabucodonosor em 586 a.C. e assim ficou por 400 anos. O segundo templo foi construído pelo imperador Ciro após os judeus retornarem do cativeiro babilônico por volta de 535 a.C. E o terceiro templo feito por Herodes, o mesmo tento fazer uma estrutura grandiosa, com todo o complexo do templo, porém foi totalmente destruído.

Todos sabem do conflito que há na terra santa, entre judeus e muçulmanos, que "disputam" o lugar santo. Para ambos o "Haram esh-Sharif" (Esplanada das Mesquitas: Cúpula da Rocha e a Mesquita de Al-Aqsa) é o local santo. Porém a arqueologia nos prova o local exato do verdadeiro templo, e pelo visto, eles sabiam disso a muito tempo. Todas as provas estão no subsolo de Haram.

Uma obrigação religiosa era fazer passar pela superfície do templo, águas emitidas diretamente da fonte. Essa água não podia ser armazenada em uma caixa ou qualquer outro recipiente, essa água era fornecida para as bacias de purificação (ʺMikwehʺ). E por incrível que pareça esse fluxo continua intacto até hoje, e vem das fontes de Etam, localizada na área entre o Hebron e Belém. O pré-requisito fundamental para qualquer procedimento no templo, era que o único meio de purificação supremo seria das águas direto da fonte. Esse procedimento serve para a purificação do Sumo-Sacerdote, por meio de imersão total do corpo, e tinha que ser dentro do templo. Em outros lugares do templo, havia mais lugares por onde passava esse fluxo de água para purificarem os peregrinos, os objetos e utensílios usados dentro do templo. 

Analisando os fatos, de que esse fluxo de água fica exatamente embaixo de Haram, e o verdadeiro templo nunca poderia estar exatamente em cima dele.

A imagem acima, mostra como funciona o sistema hidráulico do templo.



Para quem tem dúvidas de quem é quem na terra santa, a imagem acima esclarece.


A imagem acima mostra como era o templo de Heródes.


Abaixo irei mostrar a estrutura do sistema hidráulico:


Infra-Estrutura ao sul de Haram.


A foto acima mostra a infra-estrutura ao sul de Haram com esboço do portão triplo.


O que se pode afirmar é que o verdadeiro templo fica próximo a uma fonte de água. Quando olhamos para a parte mais baixa da cidade de Jerusalém em sua forma crescente, notamos o que se opõem diretamente ao centro do monte, é uma nascente de água que remonta pelo menos 3000 anos. Graças a essa fonte que podemos localizar a verdadeira de Jerusalém, que era a cidade de Davi em Sião, que era o Monte Moriá, onde o novo templo será construído e  o anti-cristo irá profaná-lo



Na imagem acima mostra o local exato onde está o verdadeiro templo. 

Podemos meditar até aqui, como os planos de Deus é perfeito, em 135 d.C, segundo relatos do historiador Flavio Josefo, a cidade foi devastada completamente a mando do imperador Adriano e ainda decretou a expulsão de todos os judeus de Jerusalém. Creio que tudo e todos estamos sujeitos aos planos de Deus, se isso não tivesse acontecido, os muçulmanos tomariam conta do local, da mesma forma que tomaram conta de Haram.

A Fonte de Giom é a única fonte dentro de cinco quilômetros de Jerusalém. A água era vital e importante para qualquer cidade antiga. Também foi importante para o Templo Sagrado, com os seus muitos rituais de purificação. Cerca de 530 metros ao sul de Jerusalém, podemos encontrar o En-Rogel ou Rogel Spring, uma fonte ou poço perto de Jerusalém que marcava a fronteira entre Judá e Benjamim. (Jos 15:7; 18:16) Jonatã e Aimaás, espiões de Davi, aguardaram em En-Rogel informações secretas sobre a rebelião de Absalão. (2Sa 17:17) Perto dali, Adonias, outro filho rebelde de Davi, realizou mais tarde um banquete para granjear apoio para sua usurpação do trono. — 1Rs 1:9. Uma vez que a fonte de Giom é a única verdadeira fonte de água dentro de cinco quilômetros de Jerusalém, então é essa nascente que estava dentro de Jerusalém. O chamado Eixo Warren, redescoberto em meados do século 19 leva da fonte de Giom ao cume do Ofel, e pode muito bem ter sido a fonte de água para o Templo. Ezequias fez um aqueduto ( 2 Crônicas 32:30 ), que teve a água da fonte de Giom e trouxe água para a cidade de Jerusalém. Este aqueduto é realmente um túnel que corre sob a cidade de Davi, levando a uma piscina no lado oeste da cidade baixa. Este túnel é também chamado de túnel Siloé (um túnel que trazia água de fora da cidade de Jerusalém e que servia para suprimento em tempos de guerra). Como as águas de Giom não eram o suficientes, foi feito o canal de água que abastecia o templo em Jerusalém começou na área das montanhas de Hebron, passou por Piscinas de Salomão em Etam, perto de Belém, e corria para Jerusalém. Tamanha complexidade desses canais que não vou falar aqui, a sabedoria que foi usado pelos engenheiros de Salomão era fora do comum, pra quem estuda logo veria que essa sabedoria vinha de Deus.

Na imagem acima, o curso da fonte fora da cidade até a piscina de Siloé em amarelo.

Segundo Holman Atlas bíblicos (1998):

O cidade dos jebuseus de Davi, foi conquistada cerca de dez hectares de tamanho, concentraram-se no monte sudeste acima da fonte de Giom (2 Sam 5). O sistema de abastecimento de água nesta época foi totalmente explorado. De dentro de fortificações da cidade no leste, uma câmara de entrada e um túnel levava a um eixo vertical de treze metros de profundidade (conhecida hoje como eixo de Warren) diretamente sobre outro horizontal do túnel que trouxe a água da fonte de Giom. (P. 113)

Não podemos deixar de falar sobre a área do monte templo hoje, é muito grande e construída de forma errada e tem muitas pedras ainda de pé para a parede a ser os restos do real Monte do Templo. Hoje o verdadeiro local do templo é chamado de "Fortaleza Antonia". A Fortaleza Antônia era uma praça-forte construída por Herodes, o Grande, em Jerusalém, na extremidade oriental da muralha da cidade, ligada ao Templo por uma galeria, e cujo nome homenageava o triúnviro romano, Marco Antônio, protetor de Herodes. O historiador Flávio Josefo descreveu o forte como "uma torre com quatro torres em cada canto", ligado ao templo por duas colunas com um espaço estreito entre elas. As medições dadas por Josefo sugerem uma separação de 200 metros entre os dois complexos. Essa estrutura hoje existe, mas só foi poupado por que era romano e não fazia parte de Jerusalém de fato. Hoje os judeus adoram na parte ocidental do forte cujo os romanos usavam para destruir Jerusalém e o Templo Sagrado. O verdadeiro Monte do Templo é o sul do Monte do Templo falsa de hoje. O Monte do Templo real deve ser em frente à fonte de Giom na área chamada Ofel.



Para quem tiver mais curiosidade em saber sobre as provas arqueológicas, a história dos templos, dos impérios, nesse link (http://jerusalem-4thtemple.org/) mostra tudo bem mais detalhado, os arquivos possuem cerca de 2 mil páginas. Está em Inglês e em Francês..

Fernanda S Azevedo


2 comentários:

Frances disse...

Review your Bible. The "First Temple" was built by King Solomon after his father, King David, gathered all the materials for it.

This Temple was destroyed in 586BC and the people taken to Babylon - "to keep the 70 years of missed Sabbaths". When they returned to Jerusalem under Nehimiah, a wall was built, but not a Temple.

The "Second Temple", built by Herod over the location of the first was destroyed in 70 AD by Titus Vesperian, a Roman who took the place completely down except for the Western Wall which is what we call the "Wailing Wall".

Do not put stuff out here if you are not sure?

ESTRADAS&POESIA disse...

Fernanda que o Senhor a abençoe e que possamos anunciar a volta do nosso Senhor Jesus àqueles que ainda não o aceitaram como seu Salvador...
Roberto Sena

Shalom Adonai